fbpx
Uma senha sera enviada para seu e-mail

Falecimento de um ente querido: como lidar com essa dor?

O falecimento de um ente querido é uma experiência que faz parte da vida, mas que a maioria das pessoas não se sente preparada para enfrentar essa dor.

A sensação de impotência, a separação e o difícil aprendizado da existência sem essa pessoa são experiências que nos afetam em todos os âmbitos da vida (social, espiritual, afetivo, físico e comportamental), mesmo quando o falecimento ocorre em pessoas idosas ou muito idosas.

Caso seu idoso ou você cuidador esteja sofrendo com o falecimento de um ente querido, tente dar tempo para que ele ou você possam entender e se reorganizar emocionalmente. Vivenciar o luto é uma momento difícil e que passa por diversas fases, mas que é importante. Sabendo da importância que é entender os processos da dor do luto, a psiquiatra suíço-americana Elisabeth Kübler-Ross, importante especialista em estudos sobre a morte e o morrer, identificou os “5 estágios do morrer”, vivenciados por quem descobre uma doença incurável ou por quem está no processo de luto pela perda de algo ou alguém, conforme falaremos a seguir:

  • 1 estágio: Negação e isolamento.
    Fase em que seu familiar pode negar o acontecido e tentar encontrar formas de não entrar em contato com a realidade. É necessário aguardar o momento oportuno de aproximação de seu familiar, observando sempre suas novas reações e sinais demonstrados. É muito comum que, nesse estágio, seu idoso não queria falar sobre o assunto.
  • 2 estágio: Raiva.
    Ao compreender que o fato realmente ocorreu e que não há nada a ser feito, espera-se que seu familiar sinta revolta, rebeldia, um descontrole emocional acompanhado de ressentimentos, sensação de injustiça e inconformidade com a perda. É o estádio do “por que ele”. Nessa fase, a compreensão sobre a angústia que se transforma em raiva na pessoa é importantíssima. Se relacionar nesse estágio é muito difícil devido a revolta existente.
  • 3 estágio: Barganha.
    Fase de negociação da dor sentida pela perda. O isolamento e a negação são deixados de lado e seu familiar percebe que a raiva não resolve. A partir daí, são feitas negociações internas que muitas vezes são voltadas para religião (pactos, promessas, sacrifícios, acordos…) para que tudo volte ao normal.
  • 4 estágio: Depressão.
    Fase onde a pessoa se retira para um mundo interno. No geral, é o estágio mais longo do processo de luto e onde há um imenso sofrimento. É comum o isolamento, a melancolia, sensação de impotência e uma necessidade de introspecção. Sua compreensão e apoio nessa fase são importantíssimos. Apoie e avalie a duração dessa fase. Nesse momento, é mais comum que o auxílio profissional de um psicólogo seja preciso.
  • 5 estágio: Aceitação.
    Fase onde o indivíduo consegue ter uma visão mais realista de aceitação e consegue enxergar a realidade como realmente é. Ao invés de desespero, vê-se maior serenidade e a saudade é enfrentada com mais consciência.

A psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross reforça que os acontecimentos nem sempre acontecem nesta ordem e não possuem um prazo pré definido de acontecimento, pois variam de acordo com o tipo de perda, relação e a força de reação de cada indivíduo.

Dar um novo significado transformando a relação com o ente perdido não é um processo fácil. Aliás, é considerado por especialistas o acontecimento mais grave que parte de nós pode experienciar. Por isso, o luto deve ser acompanhado e valorizado como parte da saúde emocional.  É muito importante sempre estar ao lado do seu familiar, conversar e avaliar qual ajuda se faz necessária. Algumas vezes, levar seu familiar a um psicólogo ajuda a enfrentar esse momento.

Mas o mais importante é lembrar que não há um jeito ou padrão correto em que as coisas acontecem. Culturas e pessoas diferentes apresentam práticas distintas no momento do luto. O auxílio profissional, de amigos, familiares ou religiosos são os mais comuns e importantes. Esteja preparado para dar todo o apoio necessário. E se você cuidador familiar ficar muito estressado, utilize algumas das nossas orientações apresentadas no nosso site:

Plug And Care – Conectando o cuidar
Conheça o nosso aplicativo